São Paulo Antigo Avenida Paulista

Avenida Paulista História da Avenida Paulista o símbolo de pregresso de São Paulo Antigo.

No final do século XIX, a cafeicultura deixava de ser a principal atividade da burguesia. Começava a ser instalada as primeiras indústrias paulistas. Mas no entanto, a cafeicultura ainda tinha fôlego para financiar esse processo. Com o dinheiro do café foi financiado máquinas e equipamentos e importado mão-de-obra. Começando, então o processo de modernização e ganhando destaque como o principal centro industrial do País.
Conectado a essa modernização o engenheiro uruguaio Joaquim Eugênio de Lima inaugurou em 1891 a Avenida Paulista, com projeto similar às grandes avenidas européias.
Então a nascente burguesia paulistana foi ocupando a Avenida com seus casarões e mansões requintados, transformando-a em uma referência consagrada da cidade. Aos poucos ela se transformou em foco de animação da cidade. Os ricos senhores do café e da nascente burguesia comercial, industrial e financeira construíram elegantes casarões, de um ecletismo arquitetônico incomum. Corridas de charrete, de cabriolés e dos primeiros automóveis, os corsos carnavalescos dos anos 20 e 30, a beleza da mata nativa do Parque da Avenida e a folia dos Salões do Belvedere Trianon traduziam a presença marcante da Paulista na história da cidade.

Nos anos 30, mais precisamente entre 1934 e 1938 a industria paulista cresce 60%. Em 1941, já era o maior parque industrial da América Latina, com 14 mil fábricas. Esse fenômeno provocou uma nova fase na cidade de São Paulo, particularmente na Avenida Paulista, que trocou sua vocação residencial por um acelerado processo de verticalização com a implantação dos primeiros edifícios comercias e de serviços. As novas atividades e a constante valorização dos terrenos imprimiram uma outra dinâmica à Paulista.

No início dos anos 70, foram necessárias obras de alargamento na avenida para que pudesse suportar a intensa circulação de veículos. Nos anos 80, as multinacionais e as instituições financeiras construíram os primeiros edifícios de alta tecnologia. Com uma estética característica dos grandes centros comerciais internacionais e com a chegada do eficiente serviço metroviário, a população paulistana se identifica com a Paulista e a elege Símbolo da Cidade.
O Idealizador da Avenida Paulista

Joaquim Eugênio de Lima nasceu em Montevidéu, Uruguai, em 6 setembro de 1845. Morou em vários países da Europa, formou-se agrônomo na Alemanha. Veio morar em São Paulo e adotou a cidade. Empreendedor, idealizou uma ‘Champs Elysées’ paulistana – a Avenida Paulista – e deu início à sua principal realização. Para a construção da avenida, o engenheiro comprou terrenos como a chácara Bela Cintra, em sociedade com José Borges de Figueiredo e João Augusto Garcia. Com a aquisição de terrenos, os três sócios gastaram pouco mais de 100 contos de réis. Eugênio de Lima trabalhou também como jornalista, ajudando na circulação de ‘Omnibus’ e ‘Cidade de São Paulo’. Morreu em 13 de junho de 1902.
Avenida Paulista cronologia de 1891 a 1996:

1891 – Inauguração da Avenida Paulista em  8 de dezembro .
1892 – Inauguração do Parque Villon, hoje Parque Tenente Siqueira Campos e projetado pôr
Paul Villon.

1894 – Lei municipal proíbe: a construção de fábricas, a passagem das boiadas que vinham   do interior para o Matadouro de Vila Clementino e regulamenta o loteamento para uso    residencial de alto nível.
1985 – Foram emitidos os primeiros alvarás de construção pelo setor de obras particulares  da Prefeitura Municipal de São Paulo. E construção da residência de Von Bullow, projeto do  arquiteto Augusto Fried.
1896 – Primeiro projeto de Ramos de Azevedo para Avenida Paulista a construção da   residência do Conde Alexandre Siciliano. E também a construção da residência do Conde   Francisco Matarazzo, projeto dos arquitetos italianos Giulio Saltini e Luigi Mancini.
1900 – Eletrificação da avenida e circulação do bonde elétrico em substituição aos de   tração animal.
1902 – Morte Joaquim Eugênio de Lima.
1903 – O Instituto Pasteur, fundado neste mesmo ano, adquire prédio na Paulista. É executada a primeira pavimentação com macadame, entre o Caminho de Santo Amaro (atual Av. Brigadeiro Luíz Antonio) e a Consolação. Instalação do colégio Gymnasio Anglo-Brazilian School, hoje Colégio São Luís. Na esquina da Rua Augusta constrói-se a primeira residência inteiramente art-nouveau de São Paulo, projetado pôr Victor Dubugras para Horácio Sabino.
1904 – Inicia-se a construção do primeiro edifício da Maternidade de São Paulo.

1905 – Construção da residência de Joaquim Franco de Mello no nº 1.919, a única remanescente dessa primeira fase da avenida.
1906 – Inauguração do Sanatório Santa Catarina, o mais antigo hospital particular de São Paulo, que teve como primeiro diretor clínico o austríaco Walter Seng.
1908 – O prefeito da época Conselheiro Antonio Prado realiza a primeira transformação no arruamento e alargamento dos passeios.
1909 – José Nunes Belfort Matos monta em sua residência um observatório meteorológico  “Observatório da Avenida”. Avenida Paulista é a primeira via pública asfaltada de São Paulo, com material importado da Alemanha.
1910 – O prefeito Barão de Duprat determina a construção, em área demarcada do Parque da Avenida, do Belvedere Trianon, cujo projeto foi de Ramos de Azevedo.
1916 – Inauguração do Belvedere Trianon e o novo sistema de iluminação elétrica pelo prefeito Washington Luís.
1919 – Inauguração do Grupo Escolar Rodrigues Alves, projeto do escritório Ramos de Azevedo.

1920 – No final da avenida constrói-se uma praça e um monumento em homenagem ao poeta Olavo Bilac (hoje Praça Mal. Cordeiro de Farias).
1924 – Realização da Primeira Corrida de São Silvestre. A avenida é interrompida por barricadas da Revolução de 24.
1927/30 – Foi alterado o nome de Av. Paulista para Av. Carlos Campos, ex-prsidente do Estado de São Paulo, No entanto, não temos a data quando retornou a ser Av. Paulista.
1934 – A construção da Capela São Luís, projetado pôr Luís Ignácio Romeiro Anhaia Mello, ex-prefeito de São Paulo.
1935 – Construção da Casas das Rosas, projeto de Ramos de Azevedo para sua filha Lúcia Azevedo Dias de Castro, tombada pelo Condephaat em 1986.
1937 – Lei municipal considerada a avenida Paulista como “zona estritamente residencial “.
1938 – Inauguração do túnel da Avenida 9 de julho.
1949 – Inauguração da Sears – loja de departamentos.
1950 – Demolição do Belvedere Trianon.
1951 – I Bienal Internacional de São Paulo realizada no Pavilhão Trianon.
1952 – Legislação municipal permite na Avenida Paulista construções e instalações de prédios institucionais e de serviços.
1956 – Inauguração do Conjunto Nacional, projeto de David Libeskind.

1957 – Abertura do Restaurante Fasano.
1958 – Construção do edifício residencial Nações Unidas, projeto de Abelardo Reidy de Souza.
1961 – Inauguração do Cine Astor.
1962 – Modificada a legislação municipal autorizando o funcionamento de lojas e edifícios comerciais. Inaugurado o Edifício Sul-Americano, projeto do escritório Rino Levi Arquitetos Associados.
1967 – Prefeito Faria Lima anuncia desapropriação para alargamento da Avenida Paulista.
1968 – Retirada dos bondes elétricos da avenida. Inauguração do MASP – Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, projeto de Lina Bo Bardi.
1972 – Prefeito Figueiredo Ferraz inaugura o Complexo Viário.
1974 – Prefeito Olavo Egydio Setúbal inicia as obras de alargamento da Avenida Paulista.
1976 – Instalação do relógio luminoso Itaú no alto do Conjunto Nacional.
1977 – Grande comemoração na conquista do Campeonato Paulista de Futebol pelo Corinthians, primeira grande comemoração na avenida.
1979 – Instalação da Fiesp/Ciesp.
1980 – Edifício Savoy, construído por Alfredo Mathias em 1954, é o primeiro edifício residencial transformado para uso de escritórios.
1981 – Incêndio no prédio de escritórios Grande Avenida.  Incêndio no Cine Astor.
1982 – São demolidos os últimos casarões significativos da Avenida.
1984 – Iluminação da torre da TV Globo no edifício da Fundação Cásper Líbero.

1986 – Inauguração as sedes dos bancos Sudameris e Citibank, projetos do arquiteto Gian Carlo Gasperini.
1987 – Incêndio nos Edifícios da CESP – Companhia Energética de São Paulo.
– Implosão do que restou dos Edifício da CESP.
1990 – Campanha realizada pelo Banco Itaú e Rede Globo elege a Avenida Paulista “Símbolo da Cidade “.
– Inauguração do shopping Paulista.
– Início das operações do Metrô – Ramal Paulista.
1991 – Em novembro a Praça Mal. Cordeiro de Farias é reformada e ampliada para a comemoração do centenário da Paulista. Dia 8 de dezembro – Centenário da Avenida.
1993 – Desocupação do Edifício Baronesa de Arary, pelo Contru, para reformas em suas instalações elétricas. Demolição do casarão onde funcionou a sede do Madame Rosita.
1996: Demolição do casarão da família Matarazzo

Histórias de São Paulo Histórias de São Paulo Antigo indústria paulistas

Artigos Relacionados

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*